Bacia do Amazonas: níveis dos rios se estabilizam, mas seguem baixos

Sexta-feira, 17 de novembro de 2023

Bacia do Amazonas: níveis dos rios se estabilizam, mas seguem baixos

Em novo Boletim de Monitoramento Hidrológico, Serviço Geológico do Brasil (SGB) indica que aumento dos níveis no Alto Solimões pode impactar outros municípios

 Foz do Igarapé do Quarenta em Manaus (AM) (Foto: Carlos da Matta)
Os níveis dos rios na Bacia do Amazonas têm apresentado tendência de estabilização, conforme indica o 51º Boletim de Monitoramento Hidrológico, divulgado nesta sexta-feira (17) pelo Serviço Geológico do Brasil (SGB). De acordo os dados, nos últimos dias foi possível observar descidas menos acentuadas em alguns municípios e até elevação dos níveis em outros pontos, inclusive no Alto Solimões e Alto Rio Negro – que são as cabeceiras da bacia.

Apesar de registrar descidas menores, o Rio Negro, em Manaus (AM), voltou a ficar abaixo dos 13 m. A cota atual é de 12,96 m. A pesquisadora em geociências do SGB Jussara Cury explica que as variações nos níveis dos rios são consideradas normais para o período de final da vazante. Esse fenômeno também recebe o nome de “repiquete”. No entanto, ressalta que as marcas seguem baixas para a época, devido à estiagem, que foi muito severa na região.

“O período chuvoso na região ainda não se iniciou. Estamos na dependência dessas chuvas isoladas em algumas regiões, como no caso do Alto Solimões e Alto Rio Negro. Essas contribuições chegaram (no final de outubro), elevaram o nível do rio, mas não foram suficientes para recuperar esse processo de vazante em toda a bacia”, detalha a pesquisadora.

Tendência de recuperação

As contribuições vindas do Alto Solimões e do Alto Rio Negro ficaram menores porque, nessas regiões, “o processo se estabilizou e voltou a descer”, especialmente devido às chuvas abaixo da média. Dessa forma, um volume menor de água chegou ao restante da bacia. Com novas subidas no Rio Solimões, há a expectativa de que os níveis voltem a subir em outras estações nas próximas semanas, especialmente em Manaus (AM).

“Desde a semana passada, o Alto Solimões apresentou processo de subida, e essa subida foi acentuada porque ali na região dos Andes – que contribui para o Solimões – o período chuvoso se iniciou. Isso foi consolidado com chuvas frequentes na região, que elevaram os níveis dos rios”, relata Jussara Cury.

Segundo o Boletim do SGB, o Solimões apresentou elevação de 14 cm em Tabatinga (AM) e chegou a 3,35 m. Também foram observadas subidas em Fonte Boa (AM) e Itapéua (AM). Em Manacapuru (AM) o rio começou a semana com descidas menores e apresentou estabilidade. A cota atual é de 3,3 m. “Saímos de cotas muito baixas, cotas até negativas, para uma faixa de 3 metros. Isso quer dizer que essa região da bacia está se recuperando”, diz a pesquisadora.

No Alto Rio Negro, na parte norte da Bacia do Amazonas, também há chuvas que contribuíram para subida do nível dos rios. Nos municípios de São Gabriel da Cachoeira (AM) e Tapuruquara (AM), o nível subiu e registrou 6,33 m e 1,89 m, respectivamente. Em Barcelos (AM), o nível do Negro ficou estável e está na marca de 1,78 m.

O Rio Amazonas também apresentou estabilidade no município de Careiro da Várzea (AM), com cota de 52 cm; Itacoatiara (AM), com cota de 61 cm; e em Óbidos (PA), com cota de -59 cm. O Amazonas segue a tendência de descida em Almeirim (PA), onde alcançou a marca de 1,58 m; e subiu em Santarém (PA), atingindo 41 cm.

Núcleo de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil
Ministério de Minas e Energia
Governo Federal
imprensa@sgb.gov.br
  • Imprimir