Rio Grande do Sul: áreas de risco geológico sobem de 10 para 15 no município de Nova Hartz

Segunda-feira, 25 de setembro de 2023

Rio Grande do Sul: áreas de risco geológico sobem de 10 para 15 no município de Nova Hartz

De acordo com a cartografia da região, foram identificados 12 setores de risco “alto” e três “muito alto”

 Degraus de abatimento
no terreno após chuvas em junho de 2023 (Foto: SGB)
A Cartografia de Risco Geológico de Nova Hartz, no Rio Grande do Sul, identificou 12 áreas de risco “alto” e três de risco “muito alto”, associadas aos processos de movimentos de massa e inundação. O mapeamento, elaborado pelo Serviço Geológico do Brasil (SGB), está disponível aqui.

Vale destacar que nos dias 15 e 16 de junho deste ano, foram registradas precipitações acima da média histórica, que desencadearam uma série de processos de deslizamentos e inundações. Essa situação, somada às características naturais do meio físico e ao avanço da ocupação de locais inadequados, resultou em um aumento de 10 para 15 setores de risco geológico, quando se compara ao levantamento realizado em 2015.

Além disso, a evolução metodológica e o emprego de novas tecnologias ao longo dos últimos anos têm induzido a produção de mapeamentos mais precisos, fato ocasionalmente comprovado pelo aumento do número de áreas de risco geológico identificadas nos trabalhos mais recentes.

Outra informação importante é que, devido às características geológicas e geomorfológicas do município, outras áreas podem apresentar risco a deslizamentos, porém em menor grau, por isso não estão contempladas no estudo. Há ainda possibilidade de deslizamentos em taludes de corte ao longo de estradas e rastejo em encostas que venham a ser ocupadas.

Os pesquisadores do SGB recomendam que a defesa civil municipal realize o reconhecimento destas áreas, monitore suas condições de estabilidade e intervenha sempre que necessário, ao mesmo tempo em que desenvolve nas comunidades atingidas a percepção de risco.

Áreas de Risco no Rio Grande do Sul

Até o final de agosto, o SGB já havia realizado cartografias de áreas de risco geológico em 61 municípios do Rio Grande do Sul e identificado 703 setores que podem sofrer processos geológicos. O número de pessoas que vivem em moradias de risco passa de 379 mil, conforme as informações dos relatórios disponíveis aqui.

Políticas públicas para prevenção de desastres

O estudo apresenta sugestões para diminuir ou erradicar o risco geológico, como: executar manutenção das drenagens pluviais e dos arroios, a fim de evitar que o acúmulo de resíduos impeça o perfeito escoamento das águas, durante a estação chuvosa; e desenvolver estudos de adequação do sistema de drenagem pluvial e de esgoto, a fim de evitar que o fluxo seja direcionado sobre a face dos taludes ou encostas.

O mapeamento realizado pelo SGB é essencial para subsidiar a tomada de decisões acertadas, relacionadas às políticas de ordenamento territorial e prevenção de desastres. Além disso, auxilia na definição de critérios para disponibilização de recursos públicos destinados ao financiamento de obras de prevenção e resposta a desastres. Dessa forma, o SGB contribui para reduzir vulnerabilidades sociais e impulsionar o desenvolvimento regional.

A atuação do SGB está alinhada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), em especial aos ODSs 1, 2, 9, 11, 12 e 13, que tratam de: erradicação da pobreza; fome zero e agricultura sustentável; indústria, inovação e infraestrutura; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis e ação contra a mudança global do clima.

Núcleo de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil
Ministério de Minas e Energia
Governo Federal
imprensa@sgb.gov.br
  • Imprimir